Unimontes reativa Núcleo e amplia ações afirmativas também para indígenas
Publicado: 05/09/2017 10:11
Divulgação Unimontes Divulgação Unimontes

Criado em 2008, o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (NEAB) da Universidade Estadual de Montes Claros passa por nova fase com regulamentação e a criação do Conselho Gestor. Com as mudanças, O NEAB/Unimontes se torna um núcleo suplementar e deliberativo vinculado à reitoria da Universidade. Até então, a unidade estava ligada à Pró-Reitoria de Extensão.

A regulamentação teve o envolvimento de um grupo de professores e pesquisadores que trabalharam na discussão e elaboração do novo regimento. A nova política institucional de apoio às temáticas da educação das relações étnico-raciais e da cultura Afro-Brasileira e Indígena está em destaque na portaria Nº 095/2017, da Reitoria da Unimontes, que regulamenta as atividades do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros. O documento foi publicado em 8 de agosto último.

A portaria também regulamenta a criação do Comitê Gestor, que terá como coordenador geral, o professor Márcio Antônio Silva, professor José Maria Pereira Carvalho, como secretário-executivo e os professores Ângela Cristina Borges Marques, Daniel Antunes Freitas e Ivete Batista da Silva Almeida – como professores permanentes.

“Com esta regulamentação das atividades, o Núcleo terá condições de desenvolver atividades mais amplas e estudos mais concretos da diversidade da população negra e indígena. Destaco que esta nova fase, teve apoio de professores e pesquisadores que ajudaram na elaboração do regulamento”. E acrescenta: “o vice-reitor da Unimontes, professor Antonio Alvimar Souza, também participou dessa nova fase, o que demonstra a compreensão e o respeito da gestão da Universidade no que diz respeito às ações do NEAB”, disse o professor Márcio Antônio Silva, coordenador do Núcleo.

Com a nova regulamentação, a equipe gestora do NEAB traçou um novo plano de trabalho com foco no fortalecimento das ações de ensino, pesquisa e extensão. O núcleo pretende também assegurar maior participação de professores e pesquisadores que tenham estudos sobre negro e indígena das diversas áreas do conhecimento da Universidade.

A proposta principal é manter dialogo continuo e participativo com toda a comunidade acadêmica dos diversos cursos da Unimontes.