Shark Tower: adrenalina marca a metade da terceira rodada do Seed
Startups da terceira rodada do programa tiveram 40 segundos para defender seus projetos
Publicado: 22/09/2016 15:07 | Atualizado: 15/12/2016 12:42

Quem acha que conversa de elevador não leva a lugar nenhum, não conhece a Shark Tower. Na última quinta-feira (15/09), os representantes das 40 startups do Seed, programa de aceleração desenvolvido pelo Governo de Minas Gerais, tiveram que mostrar que dominam a arte da síntese, da persuasão e desenvoltura.

O evento, realizado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes), por meio do Seed, em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), Centro Universitário Newton Paiva e a empresa Accenture, marcou a metade da terceira rodada do programa. Na ocasião, os empreendedores realizaram a metodologia pitch - espécie de "apresentação relâmpago", na qual o empreendedor necessita mostrar seu projeto de forma clara e concisa, despertando o interesse da outra parte (investidor ou cliente).

A Torre Alta Villa, em Nova Lima, foi sede do encontro desenvolvido em duas etapas: por meio de sorteio, todas as startups passaram por 40 segundos de pitch dentro de um elevador para convencer um hotliner - pessoa que conecta startups com fundos de investimento - que seu negócio merecia ser apresentado para a banca de investidores. As startups selecionadas na primeira etapa conquistaram 15 minutos com os investidores, sendo 5 minutos de apresentação e 10 minutos para perguntas.

Arthur Furlan, CEO da Configr - software que organiza todo processo de criação e gerenciamento de websites em Cloud Server - afirmou que o maior desafio foi condensar uma apresentação de cinco minutos em 40 segundos. “Apesar das dificuldades, levaremos essa experiência para a vida. As pessoas estão cada dia com menos tempo, é interessante aproveitar eventos e encontros casuais para fazer contatos e divulgar a ideia, ou seja, quanto mais rápido, melhor”, disse.

Após as apresentações, os jurados – membros de fundos de investimentos e investidores anjos, bem como especialistas em projetos de alto impacto econômico e inovador - elegeram as três startups que mais se destacaram na dinâmica. Os critérios de avaliação foram: oportunidade de negócio, mercado de atuação, solução da proposta, modelo de negócio com viabilidade, planejamento financeiro, investimento atraente, tração, qualidade técnica da equipe e capacidade de argumentação.  

A primeira colocação ficou com a Pris - Propriedade Intelectual. A RealLife alcançou a segunda posição e a Melhor Câmbio ficou com o terceiro lugar. Em seguida, foi anunciada a classificação geral das startups. O topo ficou com a NexAtlas - ferramenta digital de planejamento de voos no espaço aéreo brasileiro para pilotos de avião e helicóptero.

 O CEO da NexAtlas, Vinicius dos Anjos,  destacou que o Seed foi a porta de entrada para um mundo completamente novo. Encontrou no programa todo o suporte necessário para evoluir a empresa e os próprios empreendedores. “Qualquer um pode encontrar textos e ferramentas para seu negócio na internet, mas nada se compara à experiência de receber mentorias com grandes nomes da área e ter acompanhamento em tempo real de especialistas. Nossa evolução do começo ao meio do programa foi notável, o que nos rendeu um reconhecimento como startup que melhor cresceu até o momento. Como premiação, recebemos o direito de participar em um curso na Universidade de Stanford, EUA”, destacou.